Teia de Cordéis | Diálogos IV… Mulheres em cantos e versos

12 09 2011

Teia de Cordéis | Diálogos IV… Mulheres em cantos e versos

a mulher, o gênero e o feminino

A literatura brasileira, seja na esfera denominada “erudita” ou “popular”, fora marcada, ao longo dos anos, pelo traço patriarcal de sua sociedade. O monopólio masculino construíra representações sobre o gênero feminino que ora denegriam sua imagem, ora vetavam seu acesso ao consumo e produção literária.

A Prefeitura do Recife, por meio do Museu de Arte Popular – MAP, equipamento da Fundação de Cultura Cidade do Recife, convida a todos para uma boa conversa com a pesquisadora Ângela Grillo (História/UFRPE) e as cordelistas Susana Morais e Mariane Bígio sobre a trajetória feminina na Literatura de Cordel nacional e suas técnicas para driblar o machismo e a (in)visibilidade social, antecipando a 5º Primavera dos Museus, sob o tema Mulheres, Museus e Memórias.

Dia 14, Quarta-feira, no CCCR

O que | Teia de Cordéis | Diálogos IV… Mulheres em Cantos e Versos

Quando |14 de setembro, quarta-feira, às 19h

Onde | Centro Cultural  Correios

Av. Marquês de Olinda, 262, Bairro do Recife – Próximo a praça do Marco Zero

Informações | +55 81. 3355-3110

Susana Morais | Poeta cordelista, oficineira de poesia popular, recitadora. Graduada em História pela Universidade de Pernambuco. Integrante e uma das fundadoras da Unicordel – União dos Cordelistas de Pernambuco. Integrante do grupo Vozes Femininas, composto por Cida Pedrosa, Mariane Bigio e Silvana Menezes, que se apresenta de forma profissional em vários eventos no Recife e outras cidades de Pernambuco. É autora dos cordéis “Presença Feminina na vida e obra do Rei do Baião”, “Sombras do Cangaço ou A Versão de Maria Bonita”, entre outros.

Mariane Bígio | Formada em Comunicação Social, com habilitação em Rádio e TV na Universidade Federal de Pernambuco – UFPE. Locutora, repórter, produtora, montadora e diretora, poeta e declamadora no grupo Vozes Femininas. Membro da UNICORDEL (União dos Cordelistas de Pernambuco). Em 2009, dirigiu e montou o videopoema experimental Corpo Urb que trata sobre os conflitos interiores de uma mulher angustiada frente a sua “urbe” caotizada.

Angela Grillo | Doutora em História pela Universidade Federal Fluminense e École des Hautes Études em Sciences Sociales em Paris, França. Professora da Universidade Federal Rural de Pernambuco atuando na Graduação, Especialização e no Mestrado de História. Pesquisadora na área de História Cultural, História das Mulheres, Cultura Popular e Literatura de Cordel. É autora de trabalhos como “A Arte do Povo: histórias na literatura do cordel (1900/1940)”, “Evas ou Marias? As mulheres na literatura de cordel: preconceitos e estereótipos”, entre outros.
 

REALIZAÇÃO

   





Última noite! CURTASSOMBRAÇÃO

26 08 2011

Última noite, no Hermilo Borba Filho, Cais do Apolo, s/n

Fechando a programação do CURTASSOMBRAÇÃO, após os assovios da Cumade Fulozinha, os chutes da Perna Cabiluda, a aterrorizante Loira do Banheiro e outras histórias medonhas, a noite contatará com a encenação “Encontro Assombrado” e a exibição de curtas, a partir das 19 horas, com entrada gratuita!

“Encontro assombrado (ou À procura da Botija)” – peça baseada num conto de autoria de Roberto Beltrão

Exibição de Curtas

A EMPAREDA DA RUA NOVA

Antiga lenda urbana do Recife. Não se sabe ao certo quando aconteceu. É certo, entretanto, que foi na Rua nova.

Roteiro, Edição e direção: Marlom Meirelles

Atriz: Leidiane Alves

Produção: Maria Lucieide

Edição de áudio: Gordinho

PESADELO

Baseado em um sonho real…

Direção: Paulo Leonardo

O MITO DO FOGO DO MATO

A lenda do BoiTatá

Direção: Paulo Leonardo

Ator: Daniel Fialho

 

AS SCISMAS DO DESTINO

Animação inspirada na poesia de Augusto dos Anjos

Direção: Paulo Leonardo

Atores: Leonardo Barbosa, Monica Maciel, Clara Carvalho

Animadores: Ayodê França, Raoni Assis, Nara Normande

COISAS DO ALÉM E DO RECIFE TAMBÉM

Desde o século XVI, quando as primeiras naus atracaram no Recife, os mistérios do Além passaram a fazer parte do cotidiano das pessoas. Não se sabe ao certo o porquê dessa relação íntima e assustadora, mas a verdade é que ela persiste até os dias de hoje.

Alguns causos sem explicação foram catalogados pelo sociólogo Gilberto Freyre, em seu livro Assombrações do Recife Velho. Sob inspiração do escritor, este documentário resgata a aura fantástica dessa metrópole brasileira, cujas histórias sequem em constante ebulição.

Direção, Roteiro e Produção: Marcela Alves, Mariana Lins e Rubem Carneiro

Orientação: Cláudio Bezerra

Imagens e Iluminação: Ítalo Sales

Imagens Complementares: Rogério Matos

Edição e Finalização: Leo Nascimento

INFORMAÇÕES | 3355-3110

ENTRADA GRATUITA!





CURTASSOMBRAÇÃO

25 08 2011

Dia 25/08/2011 | Início às 19 horas

“A Emparedada da Rua Nova”

Antiga lenda urbana do Recife. Não se sabe ao certo quando aconteceu. É certo, entretanto, que foi na Rua nova.

 Roteiro, Edição e direção: Marlom Meirelles

Atriz: Leidiane Alves

Produção: Maria Lucieide

Edição de áudio: Gordinho

 

Bate-papo com Menelau Júnior e Roberto Beltrão

 

“Loira do Banheiro”

Menelau Júnior

Informações | 3355-3110

A partir das 19 horas, no Teatro Hermilo Borba Filho





CURTASSOMBRAÇÃO

24 08 2011

PROGRAMAÇÃO DIA 24/08/2011

Dia 24 /08/2011 | Início às 18 horas

Exibição | “Perna Cabiluda”

 

Bate-papo | com Rúbia Lóssio e Roberto Beltrão

 

Exibição | “Cumade Fulozinha”

24, 25 e 26 de Agosto, histórias medonhas no Teatro Hermilo

Perna Cabiluda
O curta dirigido por Beto Normal, Gil Vicente, João Júnior e Marcelo Gomes sobre a lendária assombração recifense da década de 70. Um dos entrevistados é Chico Science.

Cumade Fulozinha

Menelau Júnior

Informações |   +55 81. 3355-3110





Antonio Silvino, Lampião, Jararaca e outros na Diálogos III…

19 08 2011

Teia de Cordéis | Diálogos III… Cangaço: representações na Literatura de Cordel

Dia 23 de Agosto, no Teatro Barreto Júnior

O cangaço sempre foi um tema recorrente na Literatura de Cordel Brasileira. Transitando entre a ficção e a realidade, muitos cordelistas afiaram a língua e a ponta do lápis para contar, recontar, recriar e fantasiar a vida e os feitos de cangaceiros como o Lampião, Antônio Silvino, Corisco, Jararaca e inúmeros outros. E, assim, esses personagens, mais uma vez, ganham força no imaginário popular nordestino.

Para a terceira edição da série Diálogos…, o Museu de Arte Popular, equipamento da Fundação de Cultura Cidade do Recife, convida para uma conversa sobre as representações do cangaço na Literatura de Cordel no próximo dia 23 de agosto, no Teatro Barreto Júnior.

Para nos acompanhar nesse diálogo, estarão conosco os pesquisadores Geovanni Cabral (História/UFPE) e Rômulo Oliveira (História/UFPE).

O que | Teia de Cordéis | Diálogos III… Cangaço: representações na Literatura de Cordel

Quando | 23 de Agosto, terça-feira, às 18:30 horas

Onde | Teatro Barreto Júnior

Informações | +55 81. 3355-3110

Sobre os facilitadores da conversa |

Rômulo Oliveira | É graduado em História pela UFRPE (2007), Mestre em História Social da Cultura pela UFRPE (2010), Doutorando e História pela UFPE. Pesquisador de temas como cangaço na imprensa, Literatura regionalista e cordel, representações culturais, entre outros.

 

Geovanni Cabral | Doutorando em História pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Mestre em História Cultural pela Universidade Federal de Pernambuco, Especialista no Ensino de História pela Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE, graduado em Licenciatura em História pela mesma Universidade. Atualmente se dedica a pesquisas sobre a obra do poeta popular José Costa Leite.





CURTASSOMBRAÇÃO

15 08 2011

Mostra de vídeos sobre assombrações pernambucanas

 CHAMADA PARA INSCRIÇÕES

Nas áreas campestres ou nas grandes capitais, as lendas e assombrações sempre encontraram espaço nas ruas e no imaginário da população. Tradicionalmente contadas e recontadas pela oralidade, essas histórias encontram eco no medo e no suspense das pessoas.

Nos dias 24, 25 e 26 de agosto, o Museu de Arte Popular, vinculado a Fundação de Cultura Cidade do Recife, promoverá a exibição de produções audiovisuais de ficção ou documentário que tenham como temas as histórias de assombração típicas de Pernambuco.

Em parceria com o MAP, teremos a curadoria do jornalista Roberto Beltrão, autor de publicações que trabalham a temática.

Os interessados devem seguir as especificações abaixo:

REGULAMENTO

 

1. Produções audiovisuais de ficção ou documentário que tenham como tema as histórias de assombração típicas de Pernambuco;

2. Não haverá limite de duração (curta, média ou longa metragem);

3. Serão aceitas peças realizadas em qualquer formato audiovisual – animação, película, vídeo, vídeo digital. Mas todos os trabalhos deveram ser entregues em formato DVD;

4. A escolha das produções a serem exibidas ficará a cargo da comissão organizadora da mostra , seguindo os critérios: originalidade, conteúdo, qualidade artística e qualidade técnica;

5. As peças deveram ser entregues no período de 08 a 19 de agosto, no Museu de Arte Popular (MAP), localizado no Pátio de São Pedro – Casa 49, juntamente com o formulário  preenchido. Fomulário disponível em  http://www.4shared.com/document/uxk4UoTG/Formulrio_de_Inscrio_CURTASSOM.html

Instruções:

a. Clique em “Baixar Agora”;
b. Aguarde o término da contagem regressiva;
c. Clique em “Baixar o Arquivo Agora”.


7. Não haverá nenhum custo de inscrição;

8. Não haverá nenhuma premiação remunerada;

+55 81. 3355-3110

museudeartepopular@hotmail.com

pesquisamap@hotmail.com

Pátio de São Pedro | casa 49

São José | Recife | PE

50020-220

Roberto Beltrão | Jornalista, professor de Jornalismo, Publicidade & Propaganda, editor e produtor de telejornais da Rede Globo Nordeste desde junho de 1996. É também autor dos livros Histórias Medonhas d’O Recife Assombrado e Estranhos Mistérios d’O Recife Assombrado, além de ser responsável pelo famoso site Assomblog.





Teia de Cordéis | Diálogos II… Versando sobre educação

20 07 2011

Segundo diversos relatos, por meio dos folhetos de cordel, muitas pessoas, dentre as quais, crianças, aprenderam a ler e tiveram acesso aos divertidos e cuirosos causos e contos tradicionais da cultura popular nordestina.

Diálogos II...

Nos dias atuais, a Literatura de Cordel prossegue com seu veio pedagógico/educacional sendo, por exemplo, objeto de estudo para estudantes universitários como o Kalhil Gibran (História/UFRPE) que propõe um aprendizado lúdico a partir desses folhetos e com os cordelistas Meca Moreno (Unicordel) e Davi Teixeira (Unicordel) que, com sua boa prosa, instiga alunos, pais e professores através de oficinas a mergulhar nesses universos dos versos populares. E com eles, o Museu de Arte Popular (MAP) convida a todos para participarem da Teia de Cordéis | Diálogos II… Versando sobre educação, no dia 21 de julho no auditório da Livraria Cultura às 19h. Lembrando: a entrada é gratuita e serão emitidos certificados de participação.

O que | Diálogos II… versando sobre educação

Quando | Amanhã, dia 21 de Julho, às 19 horas

Onde | Auditório da Livraria Cultura

Informações| 3355-3110 | @MAP_recife

Serão emitidos certificados aos ouvintes

 

Sobre os facilitadores da conversa |

Meca Moreno é estudioso da poesia popular, poeta, compositor, artesão e produtor cultural. Pernambucano de Palmares, escreve poesia desde os 12 anos de idade; tem participado de várias antologias poéticas, além de ter poemas e artigos publicados em revistas e jornais diversos, é autor de vários cordéis e tem dois livros publicados: UNIVERSOS e GIRAMUNDO – O Espectador do Fim & Gêneros da Poesia Popular, o primeiro em co-autoria com o poeta Alfredo Moraes, numa edição independente. O segundo foi lançado pelas Edições Bagaço na V Bienal Internacional do Livro de Pernambuco, em outubro de 2005.  É membro da União dos Cordelistas de Pernambuco – UNICORDEL, coordenador do Movimento Cultural Companhia do Cordel, membro do Movimento Poetas Del Mundo. É também um dos organizadores das antologias “Poetas do Pajeú”, “Antologia do cordel de Pernambuco” e “Antologia da Poesia Urbana de Pernambuco”, todos para a Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco – FUNDARPE.

Davi Teixeira  nasceu em Bezerros, Pernambuco, em 1959. Radicado no Recife desde 1965. Cordelista e xilogravurista, que começou a escrever em 1998, é membro fundador da União dos Cordelistas de Pernambuco – Unicordel. Participa de diversos recitais e encontros, além de compor. Dedica-se também à confecção de mamulengos, feitos com material reciclado. Seu trabalho tem forte inspiração na cultura sertaneja, através das representações como o aboio, as cantorias e o cordel propriamente dito. Atualmente vem trabalhando com oficinas de mamulengo e expondo seus trabalhos em eventos por todo o estado de Pernambuco.

 

 

Kalhil Lucena é graduando em História pela Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE. Está vinculado a dois Grupos de Pesquisa: GEHISC (Grupo de Estudos em História Social e Cultural) e o GRESH (Grupo de Estudos sobre Ensino e Saberes Históricos). Também é escritor de literatura de cordel, sendo suas obras: 1- O que é História, realidade ou fantasia?; 2- O corno professor de História e as correntes historiográficas; 3- A linda história do nosso Recife. Sendo esse último ferramenta pedagógica integrante do projeto: O Recife em Cordel – pelo Museu da Cidade do Recife, Forte São Tiago das Cinco Pontas. Atualmente é Bolsista PIBIC/CNPq/UFRPE, com a seguinte pesquisa: As Representações da República Velha na Cultura Popular e no Livro Didático.

REALIZAÇÃO |

                                                        








Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.